ACONTECEU AGORA: NO ÚLTIMO ANO DE GOVERNO, BARACK OBAMA, FAZ UM BALANÇO DAS AÇÕES NO CONGRESSO E TERMINA COM UMA PREVISÃO FUTURISTA DO QUE ESPERA PARA O MUNDO. Não deixe de ler.

Época de mudanças

— Será que vamos responder às mudanças de nosso tempo com medo, nos voltando para dentro como uma nação, e virando uns contra os outros como um povo?

“Vivemos uma época de mudanças extraordinárias, mudanças que estão remodelando a forma como vivemos, a nossa forma de trabalhar, o nosso planeta e o nosso lugar no mundo. Ela [a mudança] promete educação para as meninas nas aldeias mais remotas, mas também conecta os terroristas a um oceano de distância. É uma mudança que pode ampliar as oportunidades, ou ampliar a desigualdade.

A América passou por grandes mudanças no passado[…] E a fizemos trabalhar a nosso favor […] e porque vimos oportunidade onde os outros só viam perigo, é que emergimos mais forte e melhor do que antes. 

Na verdade, é esse espírito que fez o progresso destes últimos sete anos possíveis. É como nós nos recuperamos da pior crise econômica em gerações. É como nós reformamos nosso sistema de saúde, e reinventamos o nosso setor de energia; como nós entregamos mais cuidado e benefícios para nossas tropas e veteranos, e como garantimos a liberdade em cada estado para nos casarmos com a pessoa que amamos.

Mas esse progresso não é inevitável. É o resultado de escolhas que fazemos juntos. E nós enfrentamos tais escolhas agora. Será que vamos responder às mudanças de nosso tempo com medo, nos voltando para dentro como uma nação, e virando uns contra os outros como um povo? Ou será que vamos encarar o futuro com confiança em quem somos, o que defendemos, e as coisas incríveis que podemos fazer juntos?”

Quatro perguntas 

“Então vamos falar sobre o futuro, e quatro grandes questões que nós, como um país, temos que responder – independentemente de quem será o próximo presidente, ou quem controlará o Congresso. Em primeiro lugar, como é que vamos dar a todos uma chance justa de oportunidades e segurança nesta nova economia?

Em segundo lugar, como é que vamos fazer a tecnologia trabalhar para nós, e não contra nós – especialmente quando se trata de resolver desafios urgentes como as mudanças climáticas?

Em terceiro lugar, como é que vamos manter a América segura e liderar o mundo sem nos tornarmos seu policial? E, finalmente, como podemos fazer com que nossas políticas reflitam o que há de melhor em nós, e não o que há de pior?”

Economia

— Qualquer um que diz que a economia da América está em declínio faz ficção.

“Deixe-me começar com a economia, e um fato básico: os Estados Unidos da América, agora, têm a economia mais forte, mais durável do mundo. Estamos no meio da maior sequência de criação de empregos no setor privado na história. Mais de 14 milhões de novos postos de trabalho; uma taxa de desemprego cortada pela metade. Nossa indústria automobilística teve o seu melhor ano. A indústria de bens de consumo criou cerca de 900.000 novos postos de trabalho nos últimos seis anos. E fizemos tudo isso enquanto cortamos nossos déficits por quase três quartos.

Qualquer um que diz que a economia da América está em declínio faz ficção. Nos últimos sete anos, nosso objetivo tem sido uma economia em crescimento que funciona melhor para todos. Fizemos progressos. Mas precisamos fazer mais. E apesar de todos os argumentos políticos que tivemos nos últimos anos, existem algumas áreas onde os americanos concordam amplamente. 

Concordamos que oportunidade real exige que cada americano tenha acesso à educação e formação de que necessitam para conseguir um emprego bem remunerado. A reforma bipartidária do No Child Left Behind foi um começo importante, e juntos, nós aumentamos a educação infantil, levamos as taxas de graduação do ensino médio para novos patamares, e impulsionamos graduados em áreas como engenharia.

Nos próximos anos, devemos construir sobre esse progresso […] ”

Cura do câncer

— Esse espírito de descoberta está em nosso DNA.

“Sessenta anos atrás, quando os russos nos ‘bateram’ no espaço, nós não negamos que o Sputnik estava lá em cima. Nós não discutimos sobre a ciência ou reduzimos o nosso orçamento de pesquisa e desenvolvimento. Nós construímos um programa espacial quase da noite para o dia, e doze anos mais tarde, nós estávamos andando na lua.

Esse espírito de descoberta está em nosso DNA. […] Nós somos todos os imigrantes e empreendedores de Boston a Austin até o Silicon Valley correndo para moldar um mundo melhor. E ao longo dos últimos sete anos, temos nutrido esse espírito. […] Mas podemos fazer muito mais.

No ano passado, o vice-presidente Biden disse que a América pode curar o câncer. No mês passado, ele trabalhou com esse Congresso para dar aos cientistas dos Institutos Nacionais de Saúde os recursos mais fortes que tivemos em mais de uma década. Hoje à noite, eu estou anunciando um novo esforço nacional para fazer isso […] e eu Joe será o encarregado do controle da Missão. Para os entes queridos que todos nós já perderam, para a família que ainda podemos salvar, vamos tornar a América o país que cura o câncer de uma vez por todas.”

Energia renovável

— Ao invés de subsidiar o passado, devemos investir no futuro.

“A investigação médica é crítica. Precisamos do mesmo nível de compromisso quando se trata de desenvolvimento de fontes de energia limpa. Olha, se alguém ainda quer discutir a ciência em torno das mudanças climáticas, você vai ser muito solitário, porque você vai debater com nossos militares, a maioria dos líderes empresariais da América, a maioria do povo americano, quase toda a comunidade científica, e 200 nações ao redor do mundo que concordam que isso é um problema e pretende resolvê-lo.

Mas mesmo que o planeta não estivesse em jogo[…], por que iríamos deixar passar a oportunidade para as empresas americanas de produzir e vender a energia do futuro?

Sete anos atrás, fizemos o maior investimento em energias limpas da nossa história. Aqui estão os resultados. Em campos de Iowa ao Texas, a energia eólica é agora mais barata do que a energia suja convencional. Em telhados do Arizona a Nova Iorque, a solar está poupando aos americanos dezenas de milhões de dólares por ano em suas contas de energia, e emprega mais do que o carvão – e pagam melhor que a média.

Estamos tomando medidas para dar aos proprietários a liberdade de gerar e armazenar sua própria energia – algo que os ambientalistas e Tea Partiers se uniram para apoiar. Enquanto isso, nós cortamos nossas importações de petróleo estrangeiro por quase sessenta por cento, e reduzimos a poluição de carbono mais do que qualquer outro país do planeta.

Agora temos de acelerar a transição para longe da energia suja. Ao invés de subsidiar o passado, devemos investir no futuro – especialmente em comunidades que dependem de combustíveis fósseis. […] Nada disso vai acontecer da noite para o dia e, sim, há uma abundância de interesses arraigados que querem proteger o status quo. Mas os empregos que vamos criar, o dinheiro que vamos economizar, e o planeta que nós vamos preservar – este é o futuro que nossos filhos e netos merecem.

A mudança climática é apenas uma das muitas questões em que nossa segurança está ligada ao resto do mundo. E é por isso que a terceira grande questão que temos de responder é como manter a América segura e forte, sem nos isolarmos ou tentarmos intervir em todos os lugares onde há um problema.” 

Terrorismo e o Estado Islâmico

— Os Estados Unidos da América são a nação mais poderosa da Terra. Ponto. […] Se você duvida do compromisso dos EUA, ou do  meu, de que a justiça será feita, pergunte a Osama bin Laden.

“Eu disse anteriormente que toda a conversa de declínio econômico dos Estados Unidos tem a ver com o clima político quente. Bem, isso também se estende a toda a retórica que você ouve sobre nossos inimigos estarem ficando mais fortes e a América ficando mais fraca. Os Estados Unidos da América são a nação mais poderosa da Terra. Ponto. Nós gastamos mais em nosso poderio militar do que as próximas oito nações [mais fortes] combinadas. As nossas tropas são as melhores em combate na história do mundo. Nenhuma nação se atreve a atacar a nós ou nossos aliados, porque eles sabem que é o caminho para a ruína. 

[…] Como alguém que começa todos os dias com um relatório de inteligência, eu sei que este é um momento perigoso. Mas isso não é por causa da diminuição da força americana ou alguma superpotência iminente. No mundo de hoje, nós estamos ameaçados por menos impérios do mal e mais por Estados falidos.

O Oriente Médio está passando por uma transformação que vai afetar mais de uma geração, enraizada em conflitos que remontam a milênios. Ventos econômicos contrários sopram sobre uma economia chinesa em transição. Mesmo com a economia em contração, a Rússia está despejando recursos para revigorar a Ucrânia e a Síria – estados que vê escapando de sua órbita. E o sistema internacional que construímos após a Segunda Guerra Mundial está agora lutando para manter o ritmo com esta nova realidade.

Cabe a nós ajudar a refazer esse sistema. E isso significa que temos de definir prioridades. A prioridade número um é proteger o povo americano, indo atrás de redes terroristas. Ambos, Al Qaeda e agora o Estado Islâmico representam uma ameaça direta para o nosso povo, porque no mundo de hoje, mesmo um punhado de terroristas que não dá valor à vida humana, incluindo a sua própria, pode fazer um dano enorme.

Eles usam a Internet para envenenar as mentes dos indivíduos dentro de nosso país; minam nossos aliados. […] Mas eles não ameaçam nossa existência nacional. Essa é a história que o EI quer contar; esse é o tipo de propaganda que eles usam para recrutar. Nós não precisamos ‘engrandecê-los’ para mostrar que nós somos sérios, nem precisamos afastar aliados vitais nesta luta ecoando a mentira de que o EI é representante de uma das maiores religiões do mundo.

Nós apenas precisamos chamar-lhes do que eles são – assassinos e fanáticos que têm de ser erradicados, caçados e destruídos. Isso é exatamente o que estamos fazendo.

Por mais de um ano, os Estados Unidos lideraram uma coalizão de mais de 60 países para cortar o financiamento ao EI, interromper as suas parcelas, interromper o fluxo de combatentes terroristas e acabar com a sua ideologia viciosa. Com cerca de 10 mil ataques aéreos, estamos tomando a sua liderança, o seu petróleo, seus campos de treinamento, e suas armas. Estamos treinando, armando e apoiando as forças que estão constantemente reivindicando território no Iraque e na Síria.

Se este Congresso é sério sobre ganhar esta guerra, e quer enviar uma mensagem para nossas tropas e o mundo, vocês devem finalmente autorizar o uso da força militar contra o EI. Dê um voto. Mas o povo americano deve saber que, com ou sem ação do Congresso, o EI vai aprender as mesmas lições que outros terroristas aprenderam antes deles.

Se você duvida do compromisso dos EUA – ou do meu – para ver que a justiça será feita, pergunte a Osama bin Laden. Pergunte ao líder da Al Qaeda no Iêmen, que foi capturado por nós no ano passado, ou o autor dos ataques de Benghazi, que agora se encontra numa cela de prisão. Quando você vier atrás dos americanos, nós iremos atrás de você. Pode levar algum tempo, mas nós temos memórias longas, e nosso alcance não tem limite.

Nossa política externa deve ser focada na ameaça do Estado Islâmico e na Al Qaeda, mas não pode parar por aí. Pois mesmo sem o EI, a instabilidade vai continuar por décadas em muitas partes do mundo – no Oriente Médio, no Afeganistão e no Paquistão, em partes da América Central, África e Ásia. Alguns desses lugares podem se tornar refúgios seguros para novas redes terroristas; outros serão vítimas de conflito étnico, ou a fome, alimentando a próxima onda de refugiados.”

Liderança

— Em questões de interesse global, vamos mobilizar o mundo para trabalhar conosco, e certificar-nos de que outros países vão carregar seu próprio peso.

“Nós também não podemos tentar assumir e reconstruir todos os países que mergulhem em crise. Isso não é liderança; isso é uma receita para o atoleiro, derramando sangue e tesouro americano que, em última instância, nos enfraquece. É a lição do Vietnã, do Iraque – e que já deveríamos ter aprendido por agora.

Felizmente, há uma abordagem mais inteligente, uma paciente e disciplinada estratégia que usa todos os elementos de nosso poder nacional. Ela diz que a América vai agir sempre, sozinha se necessário, para proteger nosso povo e nossos aliados; mas em questões de interesse global, vamos mobilizar o mundo para trabalhar conosco, e certificar-nos de que outros países vão carregar seu próprio peso.

Essa é a nossa abordagem aos conflitos como a Síria, onde estamos em parceria com as forças locais e liderando os esforços internacionais para ajudar a sociedade dividida a buscar uma paz duradoura. É por isso que nós construímos uma coalizão global, com sanções e diplomacia de princípios, para prevenir um Irã com armas nucleares. […]

É assim que nós paramos a propagação de Ebola na África Ocidental. Nossos militares, nossos médicos, e os nossos trabalhadores de desenvolvimento configuram a plataforma que permitiu que outros países se juntassem a nós para eliminar a epidemia. 

É assim que forjamos uma Parceria Trans-Pacífico para abrir mercados, proteger os trabalhadores e o meio ambiente, e promover a liderança americana na Ásia. Ela corta 18.000 impostos sobre os produtos ‘Made in America’, e gera mais empregos. Com a TTP [na sigla em inglês], a China não definirá as regras naquela região, nós o faremos. Você quer mostrar a nossa força neste século? Aprove este acordo. Dê-nos as ferramentas para aplicá-lo.

Cinquenta anos de isolamento da Cuba falharam em promover a democracia, estabelecendo-nos de volta na América Latina. É por isso que restauramos as relações diplomáticas, abrimos a porta para viagens e comércio, e nos posicionamos para melhorar a vida do povo cubano. Você quer consolidar a nossa liderança e credibilidade no hemisfério? Reconheça que a Guerra Fria acabou. Levante o embargo.

A liderança norte-americana no século 21 não é uma escolha entre ignorar o resto do mundo – exceto quando nós matamos terroristas – ou ocupar e reconstruir tudo o que a sociedade está desfazendo. Liderança significa uma aplicação sábia do poder militar, e mobilizar o mundo para as causas de bem. Significa ver a nossa ajuda externa, como parte de nossa segurança nacional, não de caridade.

Quando levamos cerca de 200 nações ao acordo mais ambicioso da história para combater a mudança climática – que ajuda os países mais vulneráveis, mas também protege os nossos filhos. Quando ajudamos a Ucrânia a defender sua democracia, ou a Colômbia resolver uma guerra de décadas, que fortalece a ordem internacional da qual dependemos.

Quando ajudamos os países africanos a alimentar seus povos e cuidar dos doentes, o que impede que a próxima pandemia alcance nossas costas. Neste momento, estamos no caminho certo para acabar com o flagelo do HIV / AIDS, e nós temos a capacidade de fazer a mesma coisa com a malária – algo que eu vou encaminhar para o Congresso em busca de financiamento.

Isso é força. Isso é liderança. […]” 

Respeito

— Quando os políticos insultam muçulmanos, quando uma mesquita é vandalizada, ou um garoto intimidado, isso não nos torna mais seguros. É simplesmente errado.

“É por isso que temos de rejeitar qualquer política que tem como alvo pessoas por causa de raça ou religião. Isto não é uma questão de correção política. É uma questão de entender o que nos faz fortes. O mundo nos respeita não apenas pelo nosso arsenal; ele nos respeita por nossa diversidade e nossa abertura e a forma como nós respeitamos todas as religiões.

Sua Santidade, o Papa Francisco, disse a este organismo [o Congresso] a partir do mesmo lugar que estou esta noite de que “imitar o ódio e a violência dos tiranos e assassinos é a melhor maneira de tomar o seu lugar.” Quando os políticos insultam muçulmanos, quando uma mesquita é vandalizada, ou um garoto intimidado, isso não nos faz mais seguro.  É simplesmente errado. Isso nos diminui aos olhos do mundo. Isso torna mais difícil alcançar nossos objetivos. E ele [o político] trai quem somos como um país.”

Democracia 

— A democracia exige uma confiança básica entre os seus cidadãos.

“Nós, o Povo”. Nossa Constituição começa com essas três palavras simples, palavras que significam todas as pessoas, e não apenas algumas […] Isso me leva ao quarto, e talvez a coisa mais importante que eu quero dizer hoje à noite.

O futuro que queremos – oportunidades e segurança para nossas famílias; a melhoria do nível de vida e, um planeta pacífico sustentável para nossos filhos – tudo está ao nosso alcance. Mas isso só acontecerá se trabalharmos juntos. Isso só vai acontecer se nós pudermos ter debates racionais e construtivos. Isso só vai acontecer se consertarmos nossa política.

Uma melhor política não significa que nós temos que concordar em tudo. Este é um país grande, com diferentes regiões e atitudes e interesses. Esse é um dos nossos pontos fortes, também. […]

Mas a democracia exige uma confiança básica entre os seus cidadãos. Ela não funciona se pensarmos que as pessoas que discordam de nós estão todas motivadas por malícia, que os nossos adversários políticos são antipatrióticos. A democracia sofre sem uma vontade de compromisso; ou quando até mesmo os fatos básicos são contestados, e nós ouvimos apenas aqueles que concordam conosco.

Nossa vida pública murcha quando apenas as vozes mais extremas chamam a atenção. Acima de tudo, a democracia se rompe quando a pessoa comum sente que sua voz não importa; que o sistema é manipulado em favor dos ricos ou poderosos ou algum interesse.

Muitos americanos se sentem assim agora. É um dos poucos arrependimentos da minha presidência – que o rancor e desconfiança entre as partes pioraram em vez de melhorar. Não há dúvida de que um presidente com os dons de Lincoln ou Roosevelt poderia se sair melhor, e eu garanto que eu vou continuar tentando ser melhor enquanto eu ocupar este cargo.

Mas, meus compatriotas americanos, isso pode não ser a minha tarefa – ou a de qualquer presidente sozinho. Há um monte de pessoas nesta câmara que gostariam de ver mais cooperação, um debate mais elevado em Washington, mas se sentem presas pelas demandas de ser eleito. Eu sei; vocês me disseram.”

Eleição

— Temos de reduzir a influência do dinheiro em nossa política, de modo que um punhado de famílias e interesses ocultos não possam financiar nossas eleições.

“E se nós queremos uma melhor política, que não seja suficiente apenas para mudar um congressista ou senador ou mesmo um presidente, temos que mudar o sistema para refletir nossos melhores eus. Temos que acabar com a prática de desenhar nossos distritos congressionais de modo que os políticos possam escolher seus eleitores, e não o contrário. 

Temos de reduzir a influência do dinheiro em nossa política, de modo que um punhado de famílias e interesses ocultos não possam financiar nossas eleições – e se a nossa abordagem existente para financiamento de campanha não puder passar o agrupamento nos tribunais, precisamos trabalhar juntos para encontrar uma solução real. Nós temos que tornar a votação mais fácil e modernizá-la para o modo como vivemos agora. E ao longo deste ano, pretendo viajar pelo país para pressionar por reformas nesse sentido. Mas eu não posso fazer isso sozinho.

As mudanças em nosso processo político – não apenas em quem é eleito, mas como eles são eleitos – só acontecerão quando o povo americano exigir. Vai depender de vocês. Isso é o que se entende por um governo do povo para o povo.

O que eu estou pedindo é difícil. É mais fácil ser cínico; aceitar que a mudança não é possível, e a política é impossível, e acreditar que as nossas vozes e ações não importam. Mas se desistirmos agora, então nós abandonaremos um futuro melhor.

Aqueles com dinheiro e poder vão ganhar maior controle sobre as decisões que poderiam evitar o envio de um jovem soldado a guerra, ou permitir que outro desastre econômico ocorra, ou reverter a igualdade de direitos de voto que gerações de americanos lutaram, e mesmo morreu, para conquistar. A frustração crescerá e haverá vozes incitando-nos a participar de tribos, tomando para bode expiatório concidadãos que não se parecem conosco, ou não rezam como nós, ou não votam como nós. 

Não podemos nos dar ao luxo de ir por esse caminho. Ele não vai entregar a economia que queremos, ou a segurança que queremos, mas acima de tudo, ele contradiz tudo o que nos torna a inveja do mundo.”

Cidadania resistente

Isso é o que me faz tão esperançoso sobre nosso futuro. Por sua causa. Eu acredito em você

“Então, meus companheiros americanos, o que quer que vocês possam acreditar, se vocês preferem um partido ou nenhum partido, o nosso futuro coletivo depende da sua vontade de defender os seus deveres de cidadão. Para votar. Para falar. Para levantar-se frente aos outros, especialmente os mais fracos, especialmente os mais vulneráveis, sabendo que cada um de nós está aqui porque alguém, em algum lugar, levantou-se por nós. Para nos mantermos ativos em nossa vida pública para que ela reflita a bondade e a decência e otimismo que vejo no povo americano a cada dia.

Não vai ser fácil. Nossa marca da democracia é difícil. Mas posso prometer que daqui a um ano, quando já não ocupar este cargo, eu estarei lá com vocês como um cidadão – inspirado por essas vozes da equidade e da visão, de coragem e bom humor e gentileza que têm ajudado a América a viajar para tão longe. Vozes que nos ajudam a ver a nós mesmos não em primeiro lugar como preto ou branco ou asiático ou latino, não como gay ou hétero, imigrantes ou nativos; não como democratas ou republicanos, mas como americanos, vinculados por um credo comum.[..]

Elas estão lá fora, essas vozes. Elas não recebem muita atenção, mas elas estão ocupadas fazendo o trabalho neste país que tanto precisa ser feito. Vejo-os onde quer que eu vá neste nosso país incrível. Eu vejo você. Eu sei que você está lá. Você é a razão por que tenho tanta confiança no nosso futuro. Porque eu vejo o seu silêncio, cidadania resistente o tempo todo. Eu vejo isso no trabalhador na linha de montagem, que cronometrou turnos extras para manter sua empresa aberta, e o patrão que lhe paga salários mais altos para mantê-lo a bordo.

Eu vejo isso na sonhadora que fica acordada até tarde para terminar seu projeto de ciência, e o professor que chega mais cedo, porque ele sabe que ela pode algum dia curar uma doença.

Eu vejo isso no americano que serviu a seu tempo, e nos sonhos de começar de novo – e o proprietário da empresa que lhe dá uma segunda chance. No manifestante determinado a provar as questões de justiça, e no jovem policial que trata todos com respeito, fazendo o corajoso trabalho de nos manter seguros. Eu vejo isso no soldado que dá quase tudo para salvar seus irmãos, na enfermeira que cuida dele até que ele possa correr uma maratona, e a comunidade que torce por ele.

É o filho que encontra a coragem para ser quem ele é, e o pai cujo amor por aquele filho supera tudo o que foi ensinado a ele. Vejo-o na mulher idosa que vai esperar na fila pelo tempo que for para poder votar; no jovem cidadão que exerce o seu direito pela primeira vez; nos voluntários nas urnas que acreditam que cada voto deve contar, porque cada um deles, de formas diferentes, sabe o quanto esse direito precioso vale a pena.

Essa é a América que eu conheço. Esse é o país que amamos. De olhos leves. Com um grande coração. Otimista de que a verdade desarmada e amor incondicional terão a palavra final. Isso é o que me faz tão esperançoso sobre nosso futuro. Por sua causa. Eu acredito em você. É por isso que eu estou aqui confiante de que o a nossa União é forte.

Obrigado, Deus te abençoe, e Deus abençoe os Estados Unidos da América.”

http://exame.abril.com.br/mundo/noticias/obama-resume-o-mundo-e-os-eua-em-ultimo-discurso-veja

Anúncios

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s